segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

IMAGINEM SE O SANGUE UTÓPICO DA FIEL ...

Nenhum comentário:
Link direto para esta postagem

A torcida do Corinthians tem uma excepcional oportunidade de contornar a situação criada a partir do homicídio do garoto boliviano atingido por um sinalizador lançado por um membro da Gaviões da Fiel durante o jogo da Libertadores.

Imaginem se realmente a torcida e o clube forem punidos com a impossibilidade de assistir o jogo in loco, então, resignados econscientes, criam uma campanha de doação de sangue, o Sangue Corinthiano, aquele que motiva o time e tanto orgulha os demais Corinthianos, que aconteceria durante os dias dos jogos, em praça pública, na Praça Charles Muller, em frente ao Pacaembú.

Imaginem, no mínimo, 30 mil pessoas doando sangue, que poderia ter parte disso repassado à Bolívia, como em sacrifício e homenagem, e em seguida torcendo para o seu time através de telões. O time jogando com portões fechados, mas ouvindo a torcida fazendo barulho do lado de fora.

Se meia dúzia de marginais conseguiram manchar a imagem de 30 milhões de torcedores, imaginem o que 30 milhões de Corinthianos podem fazer em prol da sociedade e para limpar essa imagem negativa deixada a partir do incidente na Bolívia?

Imaginem se a diretoria da Gaviões da Fiel ao invés de simplesmente entregar um menor à polícia, que não sofrerá punição exemplar, tivesse condições de articular tal campanha, até eu, um palmeirense, aplaudiria de pé e faria questão de colaborar.

A DIFERENÇA ENTRE IGUALDADE E JUSTIÇA

Nenhum comentário:
Link direto para esta postagem
A imagem mostra de um lado uma pessoa alta, uma média e outra baixa em cima de caixotes de tamanhos iguais, contudo isso impede que a pessoa mais baixa enxergue do outro lado do muro. Na outra parte, mostra a mesma imagem, contudo, com o caixote que pertencia à pessoa mais alta com a pessoa mais baixa, que agora em cima de dois caixotes é capaz de enxergar do outro lado do muro. A imagem simboliza a diferença entre igualdade e justiça.

MINHA RESPOSTA PARA A EMPRESA OPEN ENGLISH

95 comentários:
Link direto para esta postagem
[ *conteúdo atualizado com indicações em 01/03/2015 ]

Eu entrei em contato com o site "Open English" interessado nos seus serviços relacionados ao ensino de língua inglesa. Após oito ligações mal sucedidas, em função do péssimo sistema de VOIP usado pelo telemarketing da empresa, enfim conseguimos falar razoavelmente bem.



A atendente, muito interessada em realizar a venda, queria saber mais de falar do que ouvir, falou, falou, falou... disse valores e como funcionava o sistema deles...blá blá blá... Eu estava ocupado naquele momento e ela ficou de retornar a ligação no dia seguinte. Como o sistema de VOIP continuava com problemas, não conseguimos conversar por telefone, então, recebi este email que compartilho com vcs:


Desenho mostra a uma atendente de telemarketing do lado esquerdo e um cliente do lado direito com cara de desgosto
Blá blá blá ... 
"Olá Marco !

Tentei entrar em contato contigo e infelizmente não foi possivel falar contigo,
por favor me dê uma posição tanto negativa quanto positiva, e dependendo de sua

resposta por email eu entro em contato contigo.



Att. Carolina Coelho"

---------------------------------------------------------------

SEGUE MINHA RESPOSTA POR EMAIL:


Olá Carolina,



Pois é, esse sistema de VOIP de vcs é realmente bem ruim.
Eu tenho duas opções: o sistema de vcs e um disponibilizado gratuitamente pelo governo aos estudantes de pós-graduação e que me serve basicamente para o que eu preciso:http://www.myenglishonline.com.br/site

A conversação eu posso realizar em salas de bate-papo do Skype, ou seja, tenho opções bem semelhantes, funcionais e gratuitas...

Eu ficaria motivado a fazer o curso de vcs, se o preço não fosse tão abusivo. Penso que exigir o pagamento antecipado via cartão de crédito, com 10 parcelas de R$166 é realmente um desestímulo. Sequer eu posso testar o serviço antes de efetuar o pagamento, não sei nem se vou me adaptar.

Eu pagaria por um curso online, no máximo, uns R$75 por mês, o que acho justo, visto que os custos para dar aulas para tanta gente à distância são bem reduzidos. Fora isso, não há nenhum programa social, como aulas gratuitas para pessoas em vulnerabilidade social, nem nada parecido com projetos para escolas públicas ou coisa parecida. Trata-se de perceber que a empresa de vcs não tem nenhum comprometimento com a responsabilidade social, apenas com o lucro.

Logo, não é o tipo de lugar que eu gostaria de me associar, nem sequer de divulgar aos meus amigos, alunos, parceiros e parentes. Caso o perfil e os valores institucionais se modifiquem peço que entrem em contato novamente.

Obrigado pela atenção e abraços...

(EM TEMPO: Ela não entrou mais em contato...)

-------------------------------------------------------------------------------
*ATUALIZAÇÃO

Em 1º de março de 2015, depois de testar e usar vários sistemas, pagos e gratuitos, o que eu mais gostei e melhor me adequei foi o DUOLINGO (https://pt.duolingo.com/). Tem muitas vantagens: é gratuito, é também uma rede social, é um jogo (#gamificação), tem gramática e pronúncia. Hoje, esse seria o sistema que eu indicaria!

-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-

No dia 10 de outubro de 2013, encontrei uma outra alternativa para quem procura cursos de inglês online: http://www.busuu.com, não conheço o serviço, mas li os termos do contrato e vi que a versão básica é gratuita, mas há versões pagas, conforme consta neste link AQUI. Estas versões pagas, apresentam preços muito honestos, confiram:

Em outubro de 2013 os preços das contas Premium eram os seguintes:
"O pagamento da Assinatura Premium deve ser feito antecipadamente, no momento oferecemos quatro tipos de Assinaturas, que podem ser adquiridas no próprio site do busuu.com:
  • Assinatura Premium de 1 mês: total 15,99 EUR
  • Assinatura Premium de 6 meses: total de 59,94 EUR
  • Assinatura Premium de 12 meses: total 71,88 EUR
  • Assinatura Premium de 24 meses: total 109,76 EUR
Os preços e serviços relacionados com a Conta Premium estão sujeitos a alterações. Quaisquer alterações serão publicadas na página web do busuu.com e antes de qualquer novo preço para os serviços busuu.com informará ao Assinante para obter o seu consentimento." (BUSUU, out/2013)
O valor anual gera um investimento mensal de R$18 por mês, que creio ser muito honesto. Peço a ajuda de vocês meus leitores para que compartilhem infos nos comentários sobre este serviço. Assim poderemos ter alternativas de escolha aos preços abusivos cobrados pela Open English.

Abraços, deixem seus comentários...

HIPOCRISIA À BRASILEIRA

Nenhum comentário:
Link direto para esta postagem
Yoani Sanchéz, blogueira cubana, de perfil com a boca aberta durante uma fala e olhar compenetrado
Yoani Sanchés chamou mais atenção do que se propunha
Tenho lido bastante sobre o caso da excursão a blogueira cubana Yoani em terras tupiniquins. Invariavelmente os textos, vídeos, imagens e podcasts que tenho consumido a respeito contém parcialidades políticas explícitas.

Em ambos os casos, dos contras e à favor, há muita hipocrisia. Nestes tempos está cada vez mais difícil ser coerente com o que se pensa e agir em função disto, mas este não é o problema.


O problema reside na falta de conhecimento mais profundo sobre as coisas, as pessoas tem o costume de tomar como verdade aquilo que tem acesso pela imprensa que se dispõe a acompanhar. Contudo, há diversos ângulos numa mesma história, que precisam ser considerados que existem, para que não cometamos erros juvenis ao criar nosso senso crítico.

Neste caso da blogueira cubana, num primeiro momento, tomando-se as versões que boa parte da imprensa brasileira nos ofereceu teremos a impressão de que estamos diante de um caso clássico de repressão e censura. Mas ao procurarmos saber quem financia o blog, com quais interesses e sob quais filosofias (informações que não são do interesse editorial dessa parte da imprensa), teremos uma visão mais clara do que se trata essa celeuma toda em torno de sua visita ao Brasil.

Quem defende a "liberdade de expressão" à blogueira deveria fazer uso dessa prerrogativa ao buscar se informar para além da imprensa que domina o mercado informativo no país para que assim tivesse diversidade de informações e por fim fosse menos hipócrita.

Senso crítico não se compra no Google Play ou iTunes, é algo que você precisa exercitar para além do senso comum e da mídia viciada que costuma estar sempre mais acessível e num lugar mais confortável, mas é tão nociva quanto comer "junk food" em todas as refeições.

Antes de criticar um lado ou outro, com a contumaz  hipocrisia brasileira, procure conhecer mais versões e variedades opinativas a respeito do assunto, você irá se surpreender e deve até mesmo se revoltar com a quantidade de informações que "não nos contam" por interesses comerciais, políticos ou institucionais. Experimente!